Plantão Policial

Suspeitos de homicídio, donos do supermercado Vitória estão foragidos.

O crime ocorreu no dia 1º de setembro deste ano, no bairro Praça 14 de Janeiro, Zona Centro-Sul de Manaus.

MANAUS – A Polícia Civil do Amazonas está a procura de Joabson Agostinho Gomes e Jordana Azevedo Freire, donos do Supermercado Vitória, por suspeita de homicídio do sargento e empresário Lucas Ramon Silva Guimarães, 29. O crime ocorreu no dia 1º de setembro deste ano, no bairro Praça 14 de Janeiro, Zona Centro-Sul de Manaus.

Uma operação foi deflagrada na manhã desta terça-feira (21) pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), mas o casal não foi encontrado. Uma entrevista coletiva à imprensa foi realizada pela PC

Segundo a delegada Marna de Miranda, há indícios de que informações sobre a operação foram vazadas, uma vez que o casal saiu de casa ontem à noite acompanhado de advogados.

“Até aqui a investigação descobriu que a vítima, Lucas Ramon, estava mantendo um relacionamento extraconjugal com uma mulher também casada”, explicou a delegada à imprensa. Lucas era casado com uma filha do dono do Hospital Santa Júlia e sua amante seria Jordana.

“Esse relacionamento extraconjugal foi descoberto e a partir dessa circunstância a vítima passou a sofrer diversas ameaças, o que inclusive interferiu no comportamento dela – que adquiriu arma de fogo, passou a ter segurança privada, devolveu parte de um dinheiro que a própria amante pedia para ele guardar no intuito de livrar-se. Mas, nenhum desses comportamentos ajudou muito”, acrescentou.

As investigações indicam que Joabson teve as motivações para cometer o crime (ele descobriu traição e o repasse de dinheiro), mas não foi o executor. Uma terceira pessoa foi contratada para cometer o assassinato e ainda não há pistas sobre quem seja. A polícia não descarta que Jordana possa ter sido a mandante ao invés de Joabson. As investigações seguem em andamento.

Conforme câmeras de segurança da cafeteria onde ocorreu o crime, de propriedade de Lucas, trata-se de um homem moreno, que na hora do assassinato estava usando camisa de gola alta e boné. O pistoleiro chegou à cafeteria pilotando uma motocicleta, estacionou o veículo em frente ao estabelecimento comercial, entrou no local e perguntou pela vítima, momento em que efetuou disparos de arma de fogo contra a mesma, e fugiu do local.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.